Mês: março 2013

NÃO

Não viajou. Arrumou a casa, fez mercado, passou aquele óleo especial no corpo, acendeu um incenso para alegrar o ambiente e …

Esperou…

Esperou…

Esperou…

Até foi ao interfone verificar se esse estava funcionando, certificou-se de que o celular também estava carregado, alguma coisa que justificasse o seu desaparecimento súbito.

Nenhuma mensagem, nenhuma palavra, nem-desculpa-esfarrapada.

Foi a última vez, anote isso. Ela cansou de nutrir expectativas por aqueles que por ela não nutrem o mínimo respeito. Não escreva… Não apareça… Continue desaparecido, como até agora esteve. Na era da informação ela não aceitaria a ausência de uma ligação. Nem que fosse para dizer que não.

Abraços,

Sofia Aimée